domingo, 22 de dezembro de 2013

DESOLAÇÃO

Eu versejo com a mágoa que corta e perfura devagar a carne já à dor habituada.
Eu canto com o ódio impotente, murmurante e manso dos guerreiros derrotados.
Eu falo com a desolação cansada e a desesperança dos idosos no crepúsculo da vida.
Eu olho com o olhar opaco do mais puro desengano,
Eu vago pelo mundo com a indiferença e alheamento de uma folha seca arrastada pelo
[ vento.
Eu sigo pelos dias sem saber se estou vivo, se estou morto, confundindo vida e morte,
[ tão enorme a semelhança entre ambas em meu ser. 


2001

Nenhum comentário:

Postar um comentário